BLOG DO EDY: POLICIA PRENDE ACUSADOS DA MORTE DE ADVOGADO TAUAENSE

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

POLICIA PRENDE ACUSADOS DA MORTE DE ADVOGADO TAUAENSE

A Polícia Civil desvendou o assassinato do advogado Emídio Viana. Três homens estão presos por decisão da Justiça, por suspeita de terem participação no caso. A informação foi dada na noite de ontem pelo delegado titular de Homicídios, Luis Carlos Dantas, durante reunião com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE), Valdetário Monteiro, diretores da Seccional e membros da comissão especial de acompanhamento da investigação.
No final do encontro, a polícia pediu mais 24 horas para apresentar o que chamou de “versão final e definitiva do inquérito”. “Estamos ouvindo três suspeitos, e podemos ouvir mais, para que não paire nenhuma dúvida”, tranquilizou o delegado. Emídio Viana foi assassinado a facadas, na madrugada do dia 10 de janeiro, depois de se envolver numa discussão de trânsito. O caso foi esclarecido 34 dias depois do crime. Segundo a polícia o “quebra-cabeça” começou a se fechar com a prisão realizada em Salgueiro (PE), na última sexta, de um homem apontado como proprietário do carro em que viajava o assassino. Depois de ouvi-lo, a polícia chegou a mais dois homens, sendo um deles apontado como motorista e o outro como passageiro do veículo.
Sem descanso
“A OAB-CE não descansou um só instante para que a polícia esclarecesse esse crime que comoveu a classe”, disse o presidente. Também participaram da reunião o vice-presidente, Ricardo Bacelar, e o tesoureiro, Marcelo Mota; os membros da comissão especial, Paulo Quezado, Cícero Quezado e José Maria Rios; o coordenador do Centro de Defesa e Apoio ao Advogado, José Navarro, e o integrante do Centro, Robson Sabino. Emídio Viana era irmão do jornalista Antônio Viana, colunista do jornal O Estado. O crime provocou grande consternação na época.
Emídio era funcionário da Assembleia Legislativa e advogado nas áreas cível e criminal, sendo ex-conselheiro da OAB/Ceará e profissional vastamente bem relacionado junto aos colegas, juízes, promotores e até desembargadores, já que muitos eram seus amigos. Sua morte foi bastante lamentada e repercutiu muito nos meios jornalísticos da capital e interior.
Fonte:Jornal dos Municipios